A saga Nemesis, Salamander, Gradius

 Em 1985 a Konami criou o game chamado Nemesis, para MSX. Era uma game inovador pelo seu tamanho em relação aos outros jogos da plataforma de micros MSX que era limitada a 64 Kbytes. O Nemesis tinha 128 Kbytes, 1 Megabite, 128 Kbytes * 1.024 Bytes (o tamanho de 1 Kbyte) * 8 Bites (o tamanho de 1 Byte) = 1.048.576 bites. Assim ele foi chamado de game MegaROM, game que tinha mais de 1 milhão de bites gravados em uma memória ROM (Random ONLY Memory), memória ROM é uma memória física já vinda em algum hardware mas que não pode ser modificada pelo usuário, e pra poder fazer isto este game só era vendido em cartuchos porque nesses cartuchos existia uma memória extra que fazia o micro MSX poder rodar um game de 128 Kbytes, o dobro da sua memória ROM (64 Kbytes).

 Ele foi novador não somente por isto, mas também por ser um game incrível do estilo Penetrator (Shoot’en up – Naves de combate destruindo tudo em visão lateral) que vinha dos ARCADES (fliperamas) do Japão para uma plataforma caseira de microcomputadores, os MSX. Nos ARCADES ele chama-se Gradius, no Japão, e Nemesis, na Europa, e o Nemesis de MSX também chamava-se Gradius no Japão e Nemesis na Europa, nos EUA eu nem sei o que chamava porque o mercado Norte Americano sempre foi um mercado que nunca aceitou muito bem o MSX. Você sabe como são os EUA, né? Eles ainda achavam o Apple II+ um super micro sendo que o MSX dava uma baile nele, mas isso não vem ao caso.

NEMESIS/GRADIUS versão ARCADE rodando em emulador MAME para PC.

 No Brasil o mercado fechado pelo governo da época impedia tudo que era forma de importação de produtos não fabricados aqui, então o MSX era fabricado pela Sharp e pela Gradiente (Hotbit e Expert) e os cartuchos custavam uma nota, assim a pirataria de games era absurda, mas mesmo assim uma empresa brasileira trouxe para cá o Nemesis pagando os direitos autorais dele (Será???) mas transformando ele em um game que rodava em disquetes de 5 e 1/4, assim o disquete carregava uma parte do jogo na memória e de acordo com o avanço ele ia recarregando a fase que você iria avançando só utilizando os 64 Kbytes dos micros MSX brasileiros. O problema é que você tinha que ter um disk driver para ler esses disquetes que custavam tão caro quanto um micro MSX.

 Com isso a saga Nemesis/Gradius chegou aqui mo Brasil e no mundo para fazer da Konami A EMPRESA FODIDA DE GAMES da época no que se dizia em criar games para micros MSX e plataformas de 8 bits, ela já tinha muitos outros clássicos, mas o Nemesis foi o consolidador da maioridade dela no mercado por ter inventado o MegaROM nos MSX. E o MSX foi uma febre antes do Nintendinho (Famicom), porque o MSX era um micro de 8 bits tão bom que os games eram um show de bola pra época e ele foi na verdade a próxima geração de videogames (apesar de ser um micro) após o Atari 2600.

 Após isso centenas de outros games foram lançados em MegaROM para MSX tanto da Konami quanto de outras empresas que copiaram a ideia, mas o Brasil continuava sendo aquele país de portas fechadas onde estes cartuchos não entravam aqui a não ser por um preço absurdo. Assim um cara muito louco, o brasileiro Ademir Carchano, criou a MegaRAM (Random Access Memory), que era um cartucho que continha memória extra para você colocar no MSX e rodar todos os games MegaROM mesmo carregando eles por fita K-7 ou por disquetes, e esses games ainda tinham que ser modificados no código pra poder rodar no MegaROM, mas o lucro da pirataria fez os piratas modificarem os games e eles serem adaptados para tal. Mas você tinha que ter um MSX, um disk drive e um MegaROM, saia caro, mas depois os games saiam uma barbada de baratos! Em fitas K-7 demorava uma meia hora para carregar um game de 20 ou 30 Kbytes imagina um de 128 então tinha que ter o disk drive de qualquer jeito.

 E assim a pirataria de games MegaROM deslanchou aqui no Brasil do mesmo modo como era a pirataria dos games convencionais e junto com o Nemesis, vieram o Salamander, Nemesis II, Nemesis III, e outros clássicos como o METAL GEAR! Só que o Metal Gear é outra história da Konami e do louco chamado Ademir Carchano pois ele era feito para MSX2, o micro que nunca foi lançado no Brasil, mas que ele fez todos os brasileiros poderem ter mesmo assim!

NEMESIS II/GRADIUS II versão MSX rodando em emulador BlueMSX para PC.

 A saga Nemesis, Salamander, Gradius é muito grande, todos de games estilo Penetrator. A saga inteira de games nunca foi lançada para uma só plataforma, foram lançados para todas as plataformas durante as décadas de 80/90/00 mas variando e nenhuma das plataformas tem todos os games. O Nemesis/Gradius foi lançado em ARCADES, MSX e em Super Nintendo, mas o Nemesis III no Japão, em ARCADES, é o Gradius II não é o Nemesis II do MSX, o Nemesis II só vi em Gameboy além do MSX. O Gradius III não existe pra MSX só para ARCADES, Playstation 2 e Super Nintendo, já o Gradius IV Fukkatsu existe para ARCADE, Playstation e Playstation 2. O Gradius V só existe para Playstation 2. E o Slamander? O Slamander é uma parte da saga que se encaixa entre o Nemesis/Gradius e o Nemesis II/Gradius II e veio para MSX, Famicom (O primeiro Nintendo) e ARCADES, e depois surgiu o Slamander 2 para ARCADES, Playstation 2 e Super Nintendo. Todos os games da saga para Playstation 2 rodam em Playstation 3 perfeitamente pois o Playstation 3 é supercompatível com o 2 e roda quase todos os jogos do Playstation 2.

 Após tudo isto ainda houveram muitos relançamentos principalmente para Playstation e Playstation 2 dos primeiros Nemesis/Gradius como Gradius Gaiden e Gradius Ark etc.

 Os ARCADES da saga, eu só vi na WEB nunca vi um ARCADE de nenhum dos games nos fliperamas que existiam antigamente no Brasil. No Japão eles eram famosíssimos e na Europa e EUA também eram muito conhecidos.

 A jogabilidade de toda a saga é EXTREMA, bem difícil, mas que com centenas de vezes jogadas você já vai melhorando e é isto que atrai mais neles. Você é obrigado a se “viciar” no jogo de tanto jogar pra poder passar de fases sem usar os CONTINUES e fazer um placar gigante.

 Os gráficos são incomparáveis se fomos comparar entre os do MSX com ARCADES e depois com Playstation 2. No MSX a tela rolava lateralmente de 8 em 8 pixels dando aqueles “tranquinhos” e a velocidade das naves era meio lerda em comparação com os ARCADES que além disto tinha uma rolagem de tela limpa de 1 em 1 pixel. No Playstation 2 então fica ridículo se comparar com qualquer um anterior porque nele é um espetáculo de gráficos, gráficos de segundo plano, sons e músicas!

 Vale muito a pena hoje em dia comprar esses games na Playstation Store para o seu já velho mas fodido Playstation 3 ou no Playstation 2 e quem sabe usar o MAME ou o BlueMSX pra rodar emulador de ARCADE e de MSX para PC! Paguei 20 reais no Gradius V ontem na Playstation Store e é muito legal de jogar!

Gradius V no Playstation 2 ou Playstation 3.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *